Por trás das 60 cartas – Poker e TCG

postado em: Pokémon 101 | 0

Introdução

Eaí galera!! O artigo de hoje vai ser um pouco diferente do habitual. Nele vou tratar sobre como é possível utilizar estratégias e artifícios muito aplicados no Poker para o nosso card game.
Já aviso de antemão que tais artifícios serão apenas um detalhe na busca pela vitória. Mas para quem pretende jogar em alto nível, indo além dos testes de deck, cada detalhe pode fazer a diferença.

Relações entre Poker e Pokémon TCG

Ao comparar esses dois jogos de cartas, podemos estabelecer algumas relações.
No Poker existem mais variáveis a ser relacionadas, tornando assim, o jogo mais técnico do que o PTCG. Existe, portanto, uma necessidade de que o jogador tenha a habilidade para calcular a probabilidade de que a sua mão vença. Além de obviamente, desenvolver artifícios que o beneficiem, sejam esses para subir o valor do pote, quanto para convencer os outros jogadores que sua mão seja melhor do que realmente é.

Por outro lado, o PTCG tende a ser mais estratégico. Assim, existem mais elementos ao controle dos jogadores. Por mais que também existam efeitos que te forcem a jogar moedas no Pokémon, eles podem ser quase que totalmente evitados durante o processo de construção do deck.
Outro fator relevante a respeito das estratégias é saber moldar e definir um plano de jogo que te oriente a lidar com cada partida que você enfrenta no cenário competitivo.

Entretanto, é possível utilizar de maneira produtiva as experiências que o Poker oferece e que muitas vezes, passam batido pelos jogadores de TCGO. A principal delas é a abstração de informações durante o jogo.

Descobrindo as “Tells”

A compreensão da linguagem corporal do oponente é um dos fatores que auxilia nessa busca por informações, que tanto já foi treinada pelos jogadores de Poker. As chamadas “Tells” são reações físicas não intencionais que ocorrem em algumas situações de jogo. Como por exemplo receber suas cartas, ver uma aposta ou ouvir certo comentário. Tais reações podem auxiliar o jogador que saiba analisá-las, a ponto de interferir nas suas tomadas de decisão ao decorrer de uma partida. Pois, dessa maneira é possível prever ou estimar a mão e até mesmo as intenções de seu adversário.

Os jogadores tendem a apresentar peculiaridades em relação a seus comportamentos corporais e, consequentemente, suas “Tells”. Entretanto, há padrões universais de reações humanas associadas às suas emoções, que foram determinadas pelas pesquisas do psicólogo Paul Ekman. O que indica que mesmo que seja um processo complicado perceber qual tipo de reflexo a pessoa transmite, ele pode ser aplicado a qualquer um.

Existem diversas “Tells” associados ao Poker, como os padrões de aposta, a força nas mãos, as reações imediatas após o jogador ver as cartas do “Flop”, dentre muitas outras. No entanto, as mais relevantes para o PTCG são:

Olhares

“Os olhos são o espelho do cérebro”.

Não é preciso dizer que é proveitoso observar seu adversário quando esse estiver olhando para a própria mão. Pois, imagino que isso deva ser óbvio no que diz respeito a obter informações. Por exemplo, um oponente que após receber um N e confere imediatamente seu descarte, certamente recebeu alguma carta que interage com o mesmo.
Entretanto, o que não se demonstra tão óbvio é que ao analisar uma pessoa, devemos fugir do instinto natural de conversação. Assim, quando falamos diretamente a uma pessoa, tendemos a olhar para seus olhos quando ela está calada e para sua boca quando ela está falando. Sendo que para se encontrar uma emoção por concreto, toda a face deve ser observada em conjunto.

 

Linguagem Corporal

 “O corpo acompanha a tensão da face”.

Dessa maneira, não é mais do que esperado encontrar reflexos de momentos e tensões por meio da linguagem corporal do jogador. Tal efeito pode ser revelado por diversas maneiras que podem até serem descobertas com facilidade, mas que demandam maior capacidade de interpretação ao que significam.
A distância entre o jogador e a mesa, além de sua postura na cadeira e sobre o apoio de seus braços, dizem muito principalmente em relação a sua confiança e posição no momento do jogo. Entretanto, o nervosismo é muitas vezes mal interpretado pelo senso comum. Esse por sua vez, pode indicar em alguns casos na verdade, mãos muito boas, pois tais exigem mais precisão e tendem a gerar mais tensão no jogador. Tal fator é facilmente percebido em decks que dependam mais da ordem das ações que o jogador realiza, sendo então os decks “menos mecânicos”.
Em contra partida das boas mãos temos as “mãos de morte”, que ocorrem quando o deck não roda bem ou que são resultado de seguidos “dead draw”. Nesse tipo de ocasião, é recorrente entre os jogadores a agitação das pernas ou algum outro tipo de inquietação do comportamento padrão do indivíduo, consequências diretas do sentimento de cólera experimentado no momento de jogo.

Perceba além das expressões faciais exageradas do vídeo cômico, a postura e o apoio dos braços do jogador como mudaram. Até mesmo a forma de segurar as cartas.

 

Conclusão

Saber identificar as reações de um oponente é outro artifício que, combinado a treinos constantes, vai auxiliar no crescimento do player. Pois essa análise o faz olhar de maneira diferente dos outros jogadores para as situações de jogo.
Além disso, é de grande proveito ter mais uma ferramenta que facilite as tomadas de decisão, principalmente quando se deve levar em conta o risco de uma jogada. Então se a linguagem corporal do meu oponente me der alguma dica, eu vou querer estar ciente disso para quem sabe tomar algum proveito dessa experiência.

E vocês, já utilizaram de alguma informação que a linguagem corporal do oponente deixou escapar no jogo? Quer saber que outros artifícios o Poker tem a oferecer ao Pokémon TCG? Então não perca na semana que vem a próxima matéria dessa série, que tratará sobre um assunto polêmico: O Blefe.


Mineiro de Belo Horizonte, cresceu jogando Pokémon nos consoles. Jogador do TCG competitivo desde 2014. Estudante de Engenharia Civil e contrabandista no TCG Online nas horas vagas. Não perde uma oportunidade em conhecer novas estratégias e experiências de jogadores mais antigos, pra quem sabe conseguir crescer mais no jogo.