Regional Curitiba (BR) – William Azevedo – The King in the South!

Fala galera, beleza? Me chamo William Azevedo e venho por aqui contar um pouco da minha experiência no último regional da temporada brasileira, que ocorreu semana passada em Curitiba.

Pra quem não me conhece, sou do sul do Brasil, moro em Porto Alegre, e jogo Pokémon desde o seu início, há quase 20 anos, com algumas pausas durante. Essa mudança no calendário e no sistema do jogo não foi muito benéfica pra quem mora longe das regiões centrais do país, por isso, não consegui participar de muitos torneios grandes na temporada, apenas o regional de Buenos Aires e o Intercontinental em São Paulo. Por isso, resolvi me preparar bem para Curitiba, como o último gás da temporada.


ESCOLHA DO DECK


Desde o lançamento da Guardians Rising, acredito que como a maioria dos jogadores, vinha testando bastante Garbodor, em sua variação que mais me agradou, com Espeon GX. Porém, com o passar das semanas e o número crescente de counters do deck, comecei a procurar outras alternativas para o torneio. Joguei um tempo de Water toolbox, Alolan Ninetales GX, Decidueye GX, mas nada me agradava. Resolvi então, testar Tapu Bulu GX/Lurantis GX. De cara, constatei que o Bulu é um monstro, bate muito forte e com um ataque GX que pode mudar uma partida. Porém, achei que a Lurantis GX não era exatamente um suporte adequado ao Bulu, já que precisava de um ataque pra energizar, tornando o deck um pouco lento. Vi algumas listas de Tapu Bulu GX/Vikavolt se dando bem pelo mundo e resolvi testar. Foi amor a primeira vista, ou melhor, ao primeiro OHKO.

Pokémon (17)

3x Tapu bulu GX SMPR 32
4x GrubbinSUM 50 
2x CharjabugSUM 51
3x VikavoltSUM 52
1x Vikavolt GXGRI 45 / 133 / 152
1x Tapu Koko SMPR 30
2x Tapu Lele GXGRI 60 / 137 / 155
1x OranguruSUM 113

Energias (12)

7x Grass Energy
5x Eletric Energy


PRÉ-TORNEIO


Cheguei em Curitiba quinta a noite, e fui direto treinar. Eu, Diego Hahn (amigo e jogador aqui de Porto Alegre), Alex Silva e Otávio Gouveia (parceiros de PlusPower) jogamos algumas partidas, fiz algumas alterações na lista inicial e decidi que seria naquele caminho.

Na sexta, jogamos um League Cup da Meruru, como forma de preparação pro torneio. Usei uma lista muito parecida com a do regional, onde as diferenças eram apenas – 1 Professor Sycamore, – 1 Tapu Koko e – 1 Vikavolt GX, + 1 Teammates, + 1 Choice Band, + 1 Oricorio. Perdi pra Metagross GX no top 4 torneio, que o Alex acabou vencendo. Voltamos pro hotel pra afinar os decks pro regional. Fiz as alterações que me levaram a lista acima, e estava tudo pronto.


O TORNEIO


Rodada 1 – Gyarados – WW


Como vocês leram acima, eu não usava o Tapu Koko promo até o torneio (coloquei na lista ainda pela manhã) e Arceus fez questão de me dar razão. Gyarados logo de cara, e sem Tapu Koko, seria uma partida terrível.

Na primeira partida, meu oponente abriu de Tapu Lele GX, o que já me daria 2 prêmios pra ter alguma vantagem na trocação. O problema pra ele, é que esses foram os únicos dois, já que ele não conseguiu desenvolver o jogo.

Na segunda, o jogo rodou um pouco melhor pra ele, mas o Tapu Koko me deu uma vantagem muito grande na partida.


Rodada 2 – Volcanion EX/Turtonator GX – WLW


Já havia jogado contra Volcanion EX algumas vezes com esse deck, mas nunca com Turtonator GX. Fiquei um pouco preocupado, pois precisava da Choice Band pra matar a tartaruga de fogo em um hit com o Bulu, além de ter que descartar minhas energias para matar o Volcanion baby. Então, quem brilhou mais uma vez? Ele mesmo, Tapu Koko promo.

Na primeira partida, o deck voou, fiz Vikavolt + Tapu Bulu GX com Choice Band + Lysandre no Turtonator GX ainda no t2, e ganhei a troca de prêmios sem maiores problemas.

Na segunda partida, o deck zicou total, não consegui fazer Vikavolt e concedi rápido.

Na terceira partida, comecei com Tapu Koko promo e meu oponente precisou baixar um Shaymin EX. Bati 20 em todos com Tapu Koko, alcançando os números mágicos do nocaute no Volcanion baby e no Turtonator GX. Porém, meu oponente não conseguiu nocautear o Kokinho, então fiz Choice Band e Lysandre matando o Shaymin e colocando mais dano no restante dos Pokémon do meu oponente. A partir daí, foi só administrar a vantagem


Rodada 3 – Greninja – WW


Quando meu oponente deu mulligan, e me mostrou um Frogadier, fiquei bem tranqüilo com a partida, pois a fraqueza me daria bastante vantagem.

Na primeira partida, meu oponente começa fazendo Dive Ball pra um segundo Froakie e passa. Eu, ligo energia no Tapu Bulu GX e mato o Froakie ativo. Meu oponente sobe o novo Froakie, faz Skyla pra Rare Candy, Greninja, Choice Band e me bate travando habilidades. Aquilo me assustou inicialmente, mas consegui montar outro Bulu, e meu oponente pagou o preço de não ter usado Water Duplicates, ficando sem Pokémon em campo.

Na segunda partida, ele zicou bastante e eu ganhei relativamente rápido, fazendo Tapu Bulu GX no t2 e comprando todos os prêmios com ele.


Rodada 4 – Rainbow Road – WLL


A grande surpresa do torneio – Rainbow Road. Fiquei tentando montar essa partida mentalmente, mas tudo que me vinha na cabeça era a inconsistência do deck sempre que tentei jogar com ele, então, pensei que poderia vencer.

Na primeira partida, foi o que aconteceu. Meu oponente não conseguiu manter o fluxo de Xerneas em campo, e variando entre atacar com Tapu Bulu GX e Oranguru, acabei vencendo.

Na segunda partida, eu perco com 2 Grubbin em campo, e mais nada.

Na terceira partida, pro meu desespero, na primeira Ultra Ball, descubro que 2 Tapu Bulu GX foram para os prêmios. Tentei trocar prêmios com o único que tinha, Oranguru e Tapu Lele GX, mas falhei um nocaute vital, e meu oponente conseguiu vencer no último turno da contagem.


Rodada 5 – Rainbow Road – WLL


De novo? Sim, de novo.

A primeira partida começa basicamente como a outra, meu deck rodando bem, e quando meu oponente falhou um Max Elixir, consegui a vantagem para ganhar a partida.

Na segunda partida, cometi um dos erros mais graves do torneio. Meu oponente começa com Xerneas, coloca energia, faz seu set up, enche o banco e passa. Eu faço Ultra Ball pra Tapu Lele GX, pego Brigette, mas baixo apenas um Grubbin, confiando que em 4 cartas, meu oponente não teria a Energia Incolor Dupla e o Lysandre. Mas ele tinha.

Na terceira partida, meu oponente tinha 3 Xerneas com uma energia cada no segundo turno. Ele só precisou administrar as Duplas pra vencer a partida.


Rodada 6 – M Rayquaza EX WW


Após abrir 3-0 e perder duas rodas, peguei um amigo de longa data, Andrew de Blumenau. Já havíamos treinado um pouco essa partida e eu conhecia o caminho.

Na primeira partida, eu consigo fazer múltiplos Vikavolt e ganho a troca de prêmios.

Na segunda partida, ele abre de Oranguru e mais nada, conseguindo evitar a derrota usando alguns Hex Maniac em sequência, mas me dando tempo pra montar todo o meu set up (incluindo 3 Vikavolt).


Rodada 7 – Garbodor/Drampa GX LWW


Mais uma vez, um amigo e parceiro de treinos, Gabriel Massaroth, usando um deck que eu também havia treinado contra na noite anterior.

A primeira partida dura poucos minutos, já que eu não consegui montar nada em campo, e meu oponente usava Max Elixir, montando dois Drampa GX muito rápido.

Na segunda partida, foi o contrário, com meu oponente abrindo de Shaymin EX e não conseguindo desenvolver o jogo.

A terceira partida foi uma das melhores no evento pra mim, com os dois jogadores desenvolvendo a partida, ele usando o ataque GX do Drampa e eu não conseguindo revidar com N, mas montando Vikavolt no t2. Com os dois decks rodando, fiz o que tinha que fazer pra vencer – usei somente os itens necessários e sempre guardei um acesso ao Field Blower para desligar o Garbotoxin, além de usar o ataque GX do Bulu na hora certa.


Rodada 8 – Metagross GX WLW


Era a rodada final, e precisava vencer pra ter chances de entrar no top. Ia enfrentar o menino que me venceu no top 4 do League Cup no dia anterior, usando o mesmo deck.

Na primeira partida, uma das modificações fez toda a diferença: Tapu Koko promo. Eu comecei, fiz Brigette, desci o Kokinho com energia. Meu oponente fez o mesmo, com seus Beldum e Alolan Vulpix. Consegui manter o fluxo de 3 N consecutivos, sem que meu oponente conseguisse evoluir seus Beldum, e ganhei muita vantagem no jogo dando spread com o Kokinho.

Na segunda partida, eu não consigo fazer Vikavolt e concedo rápido, já que a primeira tinha sido rápida e o empate não me servia de nada.

Na terceira partida, meu oponente faz Brigette no t1, mas desce 3 Beldum, sinalizando que seus Alolan Vulpix estavam nos prêmios. Aí, Kokinho fez a festa e eu não tive maiores problemas com a partida.

“Depois disso, foram aqueles momentos de angústia, até a alegria com a confirmação do Top 8. Fui checar meu oponente, e vi que seria o Chuck, usando o colorido Rainbow Road, pra quem eu já via perdido duas vezes no mesmo torneio. Confesso que fiquei um pouco chateado, já que, se o deck dele rodasse bem, eu não teria muitas chances de vitória. De qualquer forma, decidi que era bom treinar algumas vezes contra, pra tentar descobrir alguma forma de desencaixar a estratégia dele.

Convoquei então o maior especialista em Rainbow Road do Brasil, Augusto Beringuer, o Rainbow Boy, pra praticar um pouco comigo. Montamos algo que imaginávamos ser próximo a lista do Chuck e praticamos algumas horas. Foi um passeio! Perdia uma atrás da outra, sem conseguir reagir as jogadas dele. Cansado de apanhar, fui dormir e descansar pro outro dia, ciente de que só com meu oponente zicando demais eu conseguiria vencer.”


Top 8 – Rainbow Road LWW


A primeira partida não dura mais que três minutos, já que eu não comprei supporter e não consegui fazer nada.

A segunda partida desenvolveu bem, fizemos um bom jogo que seria definido nos últimos turmos. Chuck errou um Max Elixir vital pra manter seus Xerneas batendo, e se viu obrigado a usar alguns Professor Sycamore pesados, ficando sem eles e sem VS Seeker pro restante do jogo. Como ele estava preso ao Oranguru, e sem conseguir montar um Xerneas pra ganhar a partida, uma sequência de Lysandre fechou o jogo pra mim.

Na terceira partida, a zica que eu pedi veio! Chuck abre de Pawniard e Volcanion, passando o turno. Eu ligo uma energia no Tapu Bulu GX, monto meu set up e bato 30. Ele liga uma energia no Pawniard e bate 10. Termino meu set up, uso Hex Maniac e nocauteio o ativo. O top deck seria seu último respiro, ele compra um N. Pra minha felicidade, ele não consegue nenhum Pokémon do N, e eu nocauteio o Volcanion pra ganhar a partida.


Top 4 – Zoroark/Garbodor/Drampa GX WLW


Treinei pouco contra Zoroark com meu deck, mas sabia a teoria da péssima partida que teria pela frente, ainda mais podendo ser punido de várias formas pelo deck do meu oponente.

Na primeira partida, meu oponente pega os dois primeiros prêmios com um Zoroark BREAK matando meu Tapu Bulu GX. Eu consigo responder o nocaute com outro Bulu. Tomo um dano de Garbodor na volta, quando uso Lysandre em outro Zoroark, que viraria BREAK na sequência, tomando vantagem na partida.

Na segunda partida, aquela zicada básica do estágio 2, onde não consigo nada e perco rápido.

Na terceira partida, quem zicou foi meu oponente não conseguindo desenvolver seu jogo e ficando refém de comprar cartas com Oranguru. Consegui comprar quatro prêmios em quatro turnos, sem que meu oponente comprasse nenhum. Dei sorte com as cartas que comprei nos dois N que meu oponente usou e fechei a partida.


Top 2 – M Rayquaza EX LWL


A final seria contra um deck que eu tinha uma boa noção de como enfrentar, mas talvez contra quem domine esse deck como ninguém, Ian Fukuda.

Na primeira partida, eu demoro muito para desenvolver meu jogo, sendo castigado pelo dano alto e rápido do M Rayquaza EX.

Na segunda partida, eu e meu oponente demoramos a desenvolver nosso jogo, o que foi bom pra mim, com um deck mais lento. Tendo a oportunidade de montar dois Vikavolt, consegui ganhar a troca de prêmios e vencer a partida.

Na terceira partida, eu demoro um pouco pra desenvolver o jogo, enquanto meu oponente faz seu set up tradicional de Rayquaza. Quando meu oponente está por 3 prêmios, e eu por 4, fiquei sem energia elétrica no deck. Faço Skyla por Energy Recycler, volto todas as elétricas possíveis e fico por um Oranguru comprando duas cartas pra ter vida na partida. Compro a elétrica, nocauteio M Rayquaza EX ativo, fico por dois prêmios, com meu oponente sem nada na mesa. Ele precisava um Rayquaza EX, um M Rayquaza EX, um Rayquaza Spirit Link, uma Energia Incolor Dupla, um Mega Turbo e uma Float Stone pra conseguir o nocaute de volta. Ele só tem mais uma peça de cada no deck. Ele consegue. Tentei apelar pro Orangumilagre mais uma vez, buscando um Lysandre pra matar um Shaymin, mas não consegui.


De uma forma geral, foi um ótimo resultado, tendo enfrentado grandes jogadores e algumas partidas desfavoráveis, e mesmo perdendo a final, ganhando uma incrível premiação.

Agradecimentos especiais a Diego Hahn e Bruno Guedes, amigos e jogadores aqui de Porto Alegre, por sempre me ajudarem nos treinos, além de Alex Silva, Otávio Gouveia, Andrew Dias, Gabriel Massaroth e Bruno Guerra, amigos e parceiros de Plus Power, que tiveram participação direta no meu resultado.

Fico a disposição para tirar qualquer dúvida sobre o deck e minha experiência.

Abraços a todos e obrigado por lerem!

William Azevedo.

Jogador desde quando saiu a Base Set aqui no Brasil, tendo minha melhor temporada 11/12, onde que no Nacional 2012 consegui o primeiro top pra Minas Gerais, ficando em 7º colocado. Venci alguns torneios como City's e BR's e top's nos Regionais. Parei por um tempo, mas estou de volta para esse incrível jogo.
  • Alessandro Melo

    Excelente artigo, adoro acompanhar o blog de vocês!!! Continuem assim!

    • Leozinho

      Nos agradecemos, sempre estamos tentando trazer bom conteúdo para a comunidade.

  • Alessandro Melo

    Pena que na minha cidade ainda é muito difícil conseguir essas promos que ainda não lançaram
    No Brasil, como tapu koko baby e tapu bulu. Alguma dica de como conseguir? Previsão pra copag lançar?

    • Leozinho

      A alguns vendedores no face, que vendem as promos americanas, so d a uma procurada.
      A Copag não informou nada ate o momento, mas os Tapu koko promos, podem ser encontrados em algumas Hi Happy, mas não sabemos como funciona a distribuição delas.