Report Nacional – Edgar Shinagawa – Juiz

postado em: Campeonatos | 0

Olá pessoal!

Acredito que a maioria me conheça, mas de qualquer forma vou me apresentar:

Meu nome é Edgar Shinagawa, conhecido na comunidade pelo meu sobrenome. Minha carreira no Pokémon começou em 2002, se não me engano, jogando TCG em Sorocaba na época da Neo Genesis até o lançamento de Legendary. Após isso, retornei ao TCG em 2012. Dentre minhas conquistas como jogador, posso destacar 2 Regionais (um em 2013 e outro em 2014) e um Battle Road (em 2013), todos com Blastoise, além de um TOP16 no Nacional de 2013 com Big Basics.

Sou professor desde 2012, pois gosto de conhecer as regras e mecânicas do jogo, mas apenas na última temporada resolvi atuar como juiz, tendo participado de apenas 2 torneios como jogador. Adicionalmente, no começo do ano, me tornei um dos 8 organizadores de VGC aqui do Brasil. Embora a comunidade desta seja pequena, estamos trabalhando para difundir esta modalidade aqui. Espero que em breve, possamos ter Regionais e Nacional de ambos os jogos.

A convite da COPAG, neste ano de 2015, fui juiz do Nacional de Pokémon TCG, ao lado de Paulo Gouveia, Lucas Borges, Igor Sena, Davi Sousa e Victor Chilelli. Eu chegaria na quinta feira em São Paulo para auxiliar nos preparativos na sexta e atuar sábado e domingo.

Quinta, dia 4 de junho

Cheguei no hotel por volta das 19:30. Os outros juízes ainda não haviam chego, então aguardei. Quando todos chegaram, foi sugerido que fôssemos jantar fora. Eu e o Paulo estávamos de carro, então fomos dirigindo para a Rua Augusta, onde o Paulo conhecia uma boa padaria. Nos perdemos um pouco para ir, mas mais ainda para voltar…. Paulo, você é um perdido!

Fomos dormir por volta das 3 da manhã…

Sexta, dia 5 de junho

Após o café da manhã, nós juízes fizemos uma rápida reunião para padronização de punições em casos gerais, que não precisariam ser passados pelo Head Judge. Após o almoço, fomos para o local do evento, onde fomos apresentados ao Dan Brandt, um integrante da Organized Play! dos EUA.

Após rápida reunião com a STAFF, começamos a recepcionar os jogadores, tirar dúvidas e realizar torneios paralelos.

O check-in terminou por volta das 21:00, quando começamos a lançar o nome dos jogadores no TOM e organizar a numeração das mesas. Até tudo estar 100% pronto e podermos voltar ao hotel, o relógio já marcava meia noite. Voltamos ao hotel, extremamente cansados e pedimos pizza.

Para a minha total frustação, mesmo pedindo pizza sem queijo (tenho intolerância à lactose), as TRÊS PIZZAS vieram com queijo. Tive que tirar o catupiry (e o frango) para comer…. fomos dormir lá pelas 3 da manhã de novo.

Sábado, dia 6 de junho

Acordei meio que em cima da hora, com tempo apenas para trocar de roupa, escovar os dentes e lavar o rosto.

Ocorreram alguns problemas com o TOM da Junior e Senior e houve um leve atraso, de cerca de 30 minutos em relação ao programa previsto. Enquanto vocês jogavam, nós juízes fazíamos a conferência da decklist.

Não atendi muitas dúvidas dos jogadores, ficando mais na parte de mexer no TOM, que, para variar, deu problema várias vezes…. sabe as rodadas que atrasou um pouco? Foi o TOM que resolveu travar. Por sorte os problemas foram resolvidos rapidamente e o suíço terminou um pouco antes das 22:00.

Após anunciar o TOP8 e arrumar o local para o dia seguinte, fomos jantar em um restaurante japonês. Neste dia, deu para dormir um pouco mais, mas só um pouco… já que voltamos ao hotel por volta das 1 da manhã…

Domingo, dia 7 de junho

No domingo, acompanhei uma partida do TOP8 da Senior e depois a final da Junior. Ao lado do Montalvão, dei uma de comentarista (acho que ficou horrível) na final da Senior. Por fim, acompanhei a final da Master.

Parabéns aos campeões ^^

Após a entrega dos prêmios e pouco antes do início da Professor Cup, todos os juízes do evento foram chamados para a área central. Em rápida reunião, foi anunciado para nós o escolhido para ir para o Mundial de Pokémon como juiz. Para minha alegria, ouvi o meu nome. A COPAG também fez o anúncio para todos os presentes.

E então, a Professor Cup começou. O juiz era o Rafinha, de Sorocaba, cujo jaleco estava arrastando no chão…. hahaha… JUIZ, EMPRESTA A CANETA!!!!

As regras de construção da Professor Cup eram basicamente:

  • Stage 1 é básico;
  • Stage 2 é Stage 1;
  • XY1 a XY5;
  • Trevenant XY1 banido;

Adicionalmente, a cada rodada, algumas regras especiais seriam anunciadas.

Testando algumas ideias, cheguei à conclusão que Swampert/Slurpuff era o deck mais consistente. Era possível fazer Swampert T2 batendo com Lysandre. Porém, fiquei sabendo que algumas pessoas iriam usar Yanmega, então coloquei 1 Pyroar e 1 Ninetales e Rainbow Energy. A lista segue abaixo:shinagawa-list

2-2 Swampert
1 Pyroar
1 Ninetales
2 Slurpuff

2 Tierno
2 Pokémon Fan Club
1 Lysandre
1 Lysandre Trump Card
2 Acro Bike
1 Switch
1 Escape Rope
1 Dive Ball
1 Professor’s Letter
1 Muscle Band
2 Rough Seas

2 Rainbow Energy
5 Water Energy

Round 1 – Davi Sousa – Swampert/Slurpuff

Regra: Máximo de 2 Pokémon no banco

A mirror match era decidida basicamente por quem começava. Porém, percebi que o deck dele era menos consistente do que o meu, não conseguindo fazer Lysandre no T2. Ele matou um Slurpuff e eu retornei com um Swampert + Muscle Band, que me garantiu o game.

Não lembro em qual game foi, mas o Davi usou Town Map!!!!!! Eu fiquei dando gargalhada e ele não entendeu, até que eu perguntei “Davi, que coleção que é essa????”, ae ele se tocou… nossa, eu quase passei mal de dar risada, tanto que mal lembro do resto da partida. Sei que consegui ganhar por conta de ele não ter energia na mão e ter que usar Diving Search+Tasting para poder energizar em vez de usar Lysandre e matar meu Swampert.

1-0-0

Round 2 – Henrique Iwamoto – Nidoqueen/Tentacruel/Dimension Valley

Regra: Dizer “O Professor mandou…” antes de atacar, recuar ou usar habilidade

O Henrique estava bastante tímido, então falou somente o essencial. Eu fiquei falando “O Professor mandou…” que nem besta, até na hora de cumprimentar o oponente, lol.

O primeiro game eu consegui ganhar de forma fácil, Swampert T2 era difícil dele segurar. O segundo game a Nidoqueen comeu meus Pokémon, então “O professor mandou eu conceder”.

Para o game 3, consegui descer Rough Seas e Ninetales, o que impediu que ele atacasse com Nidoqueen. O problema é que eu tinha 2 Swampert no prêmio… afff…. quase pensei em desistir, mas ai eu olhei o Pyroar na minha mão e energizei ele. Quando nocauteei um Pokémon, consegui comprar o Swampert e foi só partir pra cima.

2-0-0

Round 3 – ????? (Esqueci seu nome… bah, você também não sabia o meu xP) – Pyroar/Blaziken

Regra: Fases invertidas (Ataque, Main e Draw).

Achei que ia ser fácil, já que tinha vantagem no tipo, mas jogar com fase invertida é MUITO, mas MUITO difícil. Slurpuff era gigante nesta regra. No primeiro game, errei tudo, dei Lysandre e Switch errado, esquecendo que eu só atacaria depois….

Mas quando entendi qual era a tática, ficou tudo mais fácil. Bastava jogar o Pokémon com energia do oponente para o banco, deixando o meu energizado na frente. Como eu usava 1 Lysandre e 1 Escape, ficou tudo muito mais fácil.

3-0-0

Round 4 – Felipe Ponce – Excadrill/Raichu/Yanmega

Regra: Fazer a posição do Bricen durante o turno do oponente (30s). Se falhar, tomava prize loss.

185px-Black_White_Brycen

Essa era a regra mais hilária de todas. Nesta partida eu sabia que bastaria descer Pyroar, Ninetales e, no máximo, um Slurpuff. Consegui fazer isso nas duas partidas e o Ponce não teve o que fazer.

4-0-0

Round 5 – Cassiano “Chuck” – Swampert/Slurpuff

Regra: Trocar de deck com o oponente

Ah não!!!! Trocar de deck era muito mancada…. meu deck estava muito superior ao do Chuck. Enquanto meu deck estava fazendo Swampert+Lysandre T2, o do Chuck, quando muito, fazia Swampert T2. Tomei uma surra!

4-1-0

Ao final, terminei em terceiro, ganhando o troféu e a mochila ^^

Shinagawa

Infelizmente algumas pessoas ainda não entenderam o espírito da Professor Cup e houve algumas pequenas exaltações e divergências… Gente, isso é um torneio para se divertir, não para ganhar… menos competição e mais diversão na próxima, ok?

Conclusão

Eu não imaginava que ficar como STAFF no Nacional seria tão cansativo. Dormi muito pouco, não deu tempo de comer alguns dias, mas acredito que meu esforço, de alguma forma, se converteu em coisas boas para o evento, que foi um SUCESSO!

Acredito que o texto tenha ficado um pouco extenso e peço desculpas por isso.

Gostaria de agradecer a todos que torceram por mim no Programa Professor e de refirmar meu compromisso e comprometimento para fazer o meu melhor e representar o país como STAFF no Worlds.

Por fim, parabenizar a todos os jogadores, acompanhantes e principalmente, toda a equipe de organização e juízes pelo ótimo trabalho realizado!

See you in Boston!

Jogador de Pokémon TCG desde 2011, apresentador do Meta! Podcast e Professor Pokémon.