Report TOP 4 Nacional – Renato Christian – Goodbye VirGen

Olá galera, meu nome é Renato Christian, e já fiz alguns reports aqui pro site de BH, um de Virizion/Genesect que ganhei aqui em BH, e um de Exeggutor que fiquei em segundo lugar nos campeonatos mensais que realizamos aqui.
Mas desta vez, eu vim para trazer o meu report do TOP 4 do nacional Brasileiro, que ocorreu nos dias 05 a 07 de junho, onde mais uma vez eu joguei com um deck de Virizion/Genesect (sim, eu gosto desse deck pra caramba).

A Escolha

Eu não tinha dúvidas que ia de Virizion Genesect para o nacional, era como uma despedida do deck que joguei toda a temporada relativamente bem e seria meu último campeonato com ele, independente do metagame ter possíveis grandes quantidades de Rayquaza, que são matchs absurdamente difíceis para o VirGen, então fui com o deck contando com a sorte de não encontrar com esse match, (acabei encontrando apenas um Rayquaza, e tive um match bom contra, contarei mais abaixo) e torcer para encontrar Primal Groudon e sapos (ironicamente).

A única dúvida que tinha na list era o uso de um Ghetsis que testei na quarta feira na casa do meu amigo Sonson (Wallysson Lima) aqui de bh, junto com os outros jogadores comentei da carta e parecia uma escolha interessante, e foi relativamente útil em alguns matchs, porém não me passou confiança. Então resolvi retornar a um dos supporters que eu mais gostei de usar nesse deck e não achava espaço fazia muito tempo: Cassius.

Isso mesmo, Cassius melhorava meu match removendo pokémons travados na frente, e acima de tudo, melhorava contra possíveis matchs contra Landorus Bats que acumulam muito dano aos poucos com Crobat e Golbat (durante minhas muitas derrotas contra esse deck, foi possível notar que sempre um Pokémon meu ia morrendo aos poucos e eu não podia fazer nada).

Enfim, chega de papo e eis a decklist:

Pokémon (8)

3x Virizion EX
3x Genesect EX
1x Jirachi EX
1x Illumise PCR

Trainers (38)

4x Professor Juniper
3x N
1x Colress
1x Cassius
3x Skyla
1x Shadow Triad

3x Ultra Ball
3x Muscle Band
3x Vs Seeker
1x Switch
1x Escape Rope
2x Energy Switch
1x Startling Megaphone
1x Tool Retriever
3x Hypnotoxic Laser
2x Virbank city Gym
2x Enhanced Hammer
2x Head ringer
1x G Booster

Energy (14)

10x Grass
4x Plasma

Vou explicar agora o porque de algumas escolhas no deck:

3x Hypnotoxic Laser e 2x Virbank City Gym:

Era a única opção de stadium que eu achava viável no deck, até ver alguns tipos com frozen city e Ninetales PCR. Particularmente prefiro a minha, pois acredito que o laser força até mesmo o deck do adversário a recuar, e quebra uma combinação poderosa contra esse deck: Hawlucha FFI + Focus Sash. Além de completar o dano nos megas que eu me preocupava, que eram os Mega Rayquazas (tanto dragão quanto incolor).

2x Head Ringer

Acredito que me ajudaram bastante durante várias matchs, percebendo que a maioria dos adversários não usam tool retriever, e preferem usar apenas um Xerosic no deck para que os sapos não o impeçam de usar. Isso faz com que gastem dois supporters para remover as head ringers ligadas, atrasando set up e atrapalhando na continuidade do jogo. Além de impedir muscle bands para aumentar o dano.

2x Enhanced Hammer

Boa alternativa em geral para impedir decks com muitas special energy, me ajudando principalmente contra decks que a head ringer não teria tanto efeito, e claro, atrapalhando o set up do oponente.

Com todas essas escolhas, acabei abrindo um pouco o deck contra Seismitoad Shaymin, mas por contar com a fraqueza contra meu deck, acabei me dando essa liberdade de fazê-lo.

1x Illumise PCR

Era para ser uma alternativa a Seismitoad EX, e conseguir set up mais acelerado conseguindo baixar uma energia no banco usando apenas uma (Não adiantou muito, no fim, acabou se tornando um peso em certos momentos da partida. Ajudou mais pela função de jogo de 7 prizes que como atacante.).

0x Shaymin ROS

Não queria manter dois EX de HP baixo no deck (Jirachi EX e Shaymin EX) então optei pelo mais seguro, o Jirachi. Senti falta de um Shaymin no deck em alguns momentos no campeonato, mas no geral não me arrependo de não ter usado.

1x Cassius XY

Sem dúvida uma carta que fez a diferença em pelo menos 3 matchs, voltando pokémons quase mortos e poupando energias, como também removendo locks momentâneos onde levei Lysandre em um Pokémon e não conseguiria puxar energias. Nos momentos que usei o mesmo, todos os adversários olharam surpresos de ver esta carta no deck, eu já sabia, mas mais uma vez Cassius se mostrou uma carta capaz de mudar o rumo da partida.

WP_20150609_001

Bom, agora vamos as partidas.

Rodada 1

Weverton de Almeida – Flareon

Logo de cara quando meu oponente virou um Eevee e um Ditto, eu comecei a desanimar. Flareon era uma match que eu não esperava ver muito no nats, mas na primeira rodada eu podia pegar qualquer coisa, maldito azar. A primeira partida começou comigo energizando um Virizion e passando, ele setupou um eevee no banco, e passou tambem, comigo energizando o virizion novamente e matando o eevee setupando o genesect. ele sobe de flareon e mata, e ai vem o N, não adiantou, ele não zicou, e eu perdi a primeira da melhor de 3. Segundo jogo foi o mesmo inicio porém vieram meus hammers e ele ficou um turno sem dar supporter, ai eu fui levando todos os Flareon até sobrar um sigilyph, ai tive que ficar procurando no deck até achar o Shadow triad, pois descartei o G booster logo de inicio. Terceiro match aconteceu da mesma forma, levou o N, e no turno seguinte dei skyla para enhanced onde iria me dar uma chance na match, enhanced no prize, e ai o flareon levou tudo

0-1-0

Rodada 2

Danilo Norato – Pyroar/Charizard

Lembro bem desse match, porque na primeira embaralhada os dois vieram sem básicos, nesse momento eu vi 2 energias de fogo e um Pyroar, ai eu comecei a rir de nervoso, e meu oponente ficou sem entender muito bem a situação. Achei que ele estava sendo irônico, porém era realmente uma certa inexperiencia do mesmo em relação ao jogo.

Na primeira, eu startei como na de flareon, porém guardando todos os meus lasers e plasmas, para matar cada litleo que ele descesse, tentando poupar cada recurso para matar o máximo de pyroar possíveis. Ele abriu de mewtwo e eu logo liguei a head ringer nele, pensando satisfeito que cada pokémon que ele descesse era uma chance de eu conseguir mais prizes.

A primeira partida foi muito truncada e com dois pyroar montados, porém com um deck absurdamente inconsistente, demorou muito para ele ganhar. Sendo que ele só bateu 3 vezes na partida –‘.
Na segunda como vi que meu oponente era iniciante no jogo, resolvi acelerar um pouco o jogo, pois acreditei que ainda havia chance de vencer, e foi dito e feito. Na primeira ele zicou totalmente depois de um N, só desceu Litleo e Vulpix e passou. consegui matar os dois sem que ele descesse nada.

Na terceira ele chegou a descer um reshiram Outrage com uma Life dew (O.O). tentei ir atras da megaphone, mas estava prized, porém foi igual na segunda, ele zicou muito, e cada dupla que ele descia eu dava um hammer em seguida, o que o desanimava bastante, até que eu matei os unicos 3 Pokémons que ele desceu na partida (Mewtwo de novo, e dois litleo).

1-1-0

Nessa hora eu fiquei muito empolgado, tanto pelo incrível azar com as matchs, como pela sorte de ter vencido a segunda. Lembro que ao acabar, respirei fundo, e foquei que dali pra frente teria que suar para ir bem no campeonato.

Rodada 3

Hugo Suanno – Virizion/Genesect/Seismitoad/Shaymin

O Hugo é um grande jogador que conheci na minha primeira viagem para regionais (dezembro/2014), tinha o cumprimentado antes do torneio mas não sabia do que ele estava jogando, até que abrimos a primeira mão, eu startei de Jirachi e ele de Shaymin, basicamente a match com ele funcionou assim: a primeira ele acertou um super scoop up que veio, e venceu (eu ziquei ridiculo), na segunda, ele errou o super scoop up, e eu top deckei (jura??) uma Juniper, conseguindo setupar. Na terceira, ele zicou da mesma forma, porém eu abri bem o jogo, e ele errou praticamente todas as moedas na partida. Por ironia, as lasers até me ajudaram nesse match, já que ele não usava stadium, eu descia o meu e ele ficava ali, ajudando a deixar um shaymin uma vez com 100 de dano.

2-1-0

Nessa hora eu fiquei ainda mais empolgado, pois achei que meu deck com as lasers seria péssimo contra mirrors, mas não foi bem assim no fim das contas. Mentalizei: to indo bem, tenho que continuar jogando assim.

Rodada 4

Claudio Satoru Tanigava – Seismitoad/Suicune/Rough Seas.

Já havia jogado contra o Cláudio aqui no regional de BH, e ele usava um deck de fadas, torci para que ele estivesse com o mesmo deck, quando ele abriu um Seismitoad (não sabia se ficava mais feliz ou triste) e desceu DOIS suicune no banco pensei: to fud… pra matar isso. Fui guardando Laser pro final da partida, e ele deu muito azar nas hammers, além de não conseguir dar uma boa sequencia de quaking punchs. Me lembro que essa partida acabou com pelo menos uns 35-40 minutos de jogo. E foram necessários dois G Booster para conseguir vencer. A segunda partida foi no mesmo estilo da primeira, porém não houve tempo para terminar a mesma.

3-1-0

Rodada 5

Gustavo Macedo Luz – Seismitoad/Slurpuff

Esse match foi o ápice de como meu deck pode rodar contra Seismitoad, eu startei e já liguei uma head ringer no seismitoad, setupando um virizion no banco e passando, o oponente ligou uma dupla no sapo de baixo, e passou tbm. Ai eu dei switch, energia, enhanced hammer e bati 140 no da frente com ringer. Ele desceu outra dupla no de baixo, e muscle band passando sem conseguir recuar o sapo com dano. Então veio um red signal puxando o sapo montado, e matando de genesect e batendo ainda 20 no do banco.
Segunda partida foi muito parecida com a primeira, com meu oponente zicando, ligando muscle e passando, e eu dando megaphone seguido de ringer no sapo. e comecei a bater levando tudo que ele colocava na frente. Lembro bem de ver que essa partida inteira durou no máximo 9 minutos. A filipeta ainda nem havia chegado.

4-1-0

Rodada 6

Maurício D’Avila – Bronzong Rayquaza

Essa partida me surpreendeu de certa forma, não esperava ver muito desse deck que tinha conhecido na final do paralelo do dia anterior. Mas o Maurício é um excelente jogador. O primeiro match foi mais acirrado, mas Cassius me salvou de novo após um g Booster t3 num mega rayquaza incolor que ele montou mesmo com Head Ringer. Foi energy switch para o virizion do banco, energia da mão e cassius no gene da frente para continuar setupando e caçando Bronzongs para impedir ele de montar seu jogo. me fazendo vencer a primeira
O segundo e o terceiro matchs foram semelhantes, não me lembro muito bem como aconteceram, mas me lembro de ter matado dois bronzor seguidos e quando ia matar um EX, ele concedeu.

5-1-0

Rodada 7

Rodrigo Gianne – Virizion/Genesect/Ninetales PCR/Frozen City

Mais um match onde minhas lasers seriam inúteis quase todo o jogo. O deck dele era mais rápido que o meu, e ele chegou a me bater com G booster T3 matando meu genesect que eu tinha setupado. Porém nessa hora eu comecei a distribuir os 70 de dano, (algo muito importante no mirror desse deck), e o fato de ele não usar tool retriever ajudaram minhas head ringer a ficar com ele mais tempo. quando ele ficou por 2 prizes, comecei a caçar um a um seus Genesects com energia e levei a primeira.

Na segunda, meu jogo começou muito ruim, e eu me lembro que ele deu o segundo emerald slash e não desceu mais nada, nesse momento eu (ou ele) deu um N que veio TUDO que eu precisava, eu tinha um genesect com 3 energias grass e minha mão veio com Plasma Energy, Shadow Triad, G booster, enhanced hammer, vs seeker e mais uma carta, e meu draw ainda veio skyla. Depois dessa mão impecável foi só administrar os red signal certos para levar a segunda também.

6-1-0

Rodada 8

Carlos Alberto “Magicarlos” – Seismitoad/ Shaymin /Absol ROS

Match foi ridícula, mesmo eu tendo um bom start, ligando tool e energia, só tinha como ligar no da frente, então ele deu set up, set up, set up…………..(5 minutos depois)……set up, set up até buscar tudo que precisava, Megaphone (que me surpreendeu) crushing hammer, laser virbank, dupla, muscle e quaking punch.

Segunda foi a mesma coisa, mas consegui atacar uma vez de Illumise (que não fez diferença alguma no fim).
No fim a partida foi mais engraçada que qualquer coisa, pois eu fiquei zoado com ele acertando cara todo momento e brincava muito com a situação.

6-2-0

Nessa hora eu fiquei muito nervoso, pois tinha a possibilidade de jogar contra matchs bem desfavoráveis (Landorus/Crobat) e ainda mais sendo de um amigo de treinos aqui de BH, que também estava disputando o TOP. Ficaria muito chateado de ter ido tão perto em meu primeiro nacional, e perder pra bad match na última. Mas antes ser alguém de BH do que de outro lugar.
E pelo visto, minhas previsões estavam corretas.

Rodada 9

Wallysson Lima (Sonson) – Landorus Crobat

Na rodada que enfrentei o Gianne, houve um erro de emparceiramento, onde eu iria enfrentar o sonson, coisa que eu não queria de modo algum, por todos os mil treinos que perdi. Naquela hora consegui escapar, mas nessa não teve jeito.

A primeira partida começou muito rápida pros dois lados (mais pro meu) e a cada Hawlucha batendo 120 de cara eu me entristecia, o fato de ele usar focus Sash no deck não faria diferença aqui, por causa das minhas Lasers, e foi por uma Laser que ganhei esse jogo, dando laser num Lucario que se acordasse, era certeza que ele venceria, porém ele não acordou, e se não acordasse, eu o mataria, e venceria o jogo. Então em vez de poder setupar ele teve que usar AZ, para salvar seu Lucario e descê-lo novamente, porém sem a tool, nessa hora eu já bati com a laser de novo, neutralizado as chances dele de atacar, e vencendo a primeira.

A segunda partida começou rápida também, porém na primeira mão ele deu ultra ball, eu sabia que ele buscaria o Shaymin, mas buscou um Landorus, então pensei, essa bosta tá no prize. Dito e feito, estava mesmo lá, junto com a Scoop Up Cyclone que ele usava de ACE SPEC, quando fui avançando na partida e ele foi perdendo as respostas para me deck, ele concedeu.

7-2-0

CARA…, meu primeiro nacional e eu tinha feito 7-2, nem de longe eu esperava um resultado tão bom. Porém havia um medo de talvez não conseguisse ficar no TOP. Meu amigo Dyego (que no dia seguinte se tornou o campeão) estava 7-1-1 e estava garantido, mas eu ainda fiquei um pouco nervoso até o anuncio dos juízes, que me anunciaram como 7º colocado geral. Fiquei muito feliz na hora com a comemoração do pessoal de BH em minha volta, feliz de saber que todos torciam por mim, e que fui bem no campeonato.
E já sabia contra quem seria minha próxima disputa no dia seguinte, Contra um deck fighting, contra Douglas “Snake” Borges

Segundo dia TOP 8

Douglas “Snake” – Puro Fighting

Sem os Crobats, a match não era tão difícil, porém mesmo assim o adversário era complicado, a primeira eu consegui dominar quase toda, lasers fechando o dano e quebrando Focus Sash ajudavam demais, e um Cassius para retirar um Virizion travado na frente foi a salvação do jogo.

Na segunda ele fez uma jogada sensacional guardando uma mão durante alguns turnos, e eu acabei não usando N, fazendo com que ele montasse um Lucario enorme, levando tudo na frente. deixando o jogo extremamente complicado pra mim, porém após um N que dei nele destrutor, alguns Draw mortos, e sem energias do meu oponente me deram a vitória, matando um Groudon no banco e um hawlucha na frente, levando 3 prizes.

TOP 4

Alexandre Braga – Primal Groudon Wobbuffet

Esse era um match que não era tão difícil para mim (na teoria), já havia jogado contra antes, e se meu deck setupasse eu conseguia vencer, porém, não consegui fazer isso em nenhuma das duas matchs, dei miss de energia, N para mãos cheias de Supporters, que não adiantavam de nada. Realmente foi uma partida fácil para o Alexandre, que não fez muito esforço para me vencer.

Fiquei muito triste com a derrota nessa altura do campeonato, porém não havia muito mais o que fazer mesmo, feliz com a colocação, mas com sentimento de que poderia ter ido mais longe.

Após tudo isso eu já estava tranquilo depois da derrota no top 4, quando soube que teria que jogar novamente contra o Magicarlos, para disputar o terceiro lugar. Pensei na hora: mais um estupro.

Disputa Terceiro Lugar

Carlos Alberto “Magicarlos” – Seismitoad/Shaymin.

Nessa partida, decidi que não ia me desgastar pela match, e admito que fui aceitando que seria algo parecido com o dia anterior, a primeira foi um atropelo tão grande quanto a do primeiro dia (como imaginei), já a segunda eu até mesmo consegui dar um ataque e ter uma sequencia de jogo maior, porém ele tinha setups infinitos graças aos vs seeker e AZ ou Flare Grunt pra nunca acabar de arrancar minhas energias, não precisando usar nenhuma vez o Trump Card, para voltar as minhas energias. Nessa eu até peguei prize :D.WP_20150608_003

Bom, no fim de tudo isso, quero agradecer a todos de BH que treinaram comigo, meu time (Vitor Pizza e Thales Macaco), ao Leozinho e Sonson, pelos treinos na masmorra durante todos os fins de semana de Maio, e a todos os outros de BH que me aguentaram jogando de VirGen durante tanto tempo, já está na hora de mudar e aprender a jogar melhor, e com outros decks, e viver outras experiencias, garanto que se não fosse por cada um de vocês, essa evolução que minas teve no cenário nacional nunca teria acontecido. Então é isso povo, até a próxima temporada (ano que vem quero mundial tbm).

PS: E parabéns ao Dyego, campeão nacional e um dos comentaristas do Meta Podcast aqui de BH. Merecido.

Jogo Pokémon TCG faz dois anos. Na temporada 2014/2015 tive minhas primeiras experiências em campeonatos grandes, com um 10ª lugar no regional de Goiânia, e top 4 nos Citys de Vitória e BH. E uma vitória nos campeonatos mensais que fazemos em Belo Horizonte.
  • andreoide15

    Report impecável!! Parabéns Christian, esse resultado é só um reflexo do seu crescimento no jogo!! Virgão vai deixar saudades

    • Renato Christian

      Valeu cara, obrigado, e sim, vai mesmo deixar saudades :’)