Report Nacional – Victor “NM” Freitas – Top 8 2016

Olá, pessoal. É uma honra estar escrevendo meu segundo post aqui. Mais uma vez agradeço ao pessoal do TCMG pelo espaço. Meu nome é Victor, jogo há pouco menos de 2 anos e, apesar de jogar com certa variedade de decks no online, venho focando no Night March para torneios físicos desde que comecei a jogar de forma competitiva.
Hoje vim falar do Nacional e do meu desempenho nele. Visualmente falando, o espaço estava ótimo e a organização não pecou muito. O ponto mais fraco foi a demora excessiva entre as rodadas, mas o fato de o campeonato ter começado próximo à hora marcada (em vez de, digamos, 11 horas) ajudou a compensar isso. No geral foi ótimo: sistema de Day 2, boa premiação, 326 Masters (!!!).
Quanto ao deck, testei Greninja, testei Vespiplume, mas o bom e velho Night March sempre acaba parecendo a melhor escolha. A lista é bem básica, não dá para mudar muita coisa numa lista de Night March, e depois de muito tempo testando o mesmo deck eu estava bem confiante de que essa lista era ideal considerando o metagame.
A única coisa que eu mudaria seria trocar um Xerosic por um Enhanced Hammer. Antes de jogar, estava em dúvida entre os dois, mas escolhi Xerosic pela versatilidade e apostei em não cair contra Sapo/Giratina (e de fato não enfrentei o deck). Mas no fim o martelo parece a melhor opção mesmo, pois além de ajudar MUITO contra Seismitoad/Giratina, também tem muita utilidade contra outras variantes de Giratina, além de ter a capacidade de atrapalhar o oponente em qualquer deck que use energia especial. Por exemplo, uma jogada que eu gostaria de fazer, mas não pude seria na mirror, dando Lysandre em um Shaymin para o K.O mas também descartando a energia do ativo do meu oponente com o martelo.
Segue a lista:

titulo

Pokémon – 15

3x Shaymin-EX ROS 77
4x Joltik PHF 26
4x Lampent PHF 42
4x Pumpkaboo PHF 44

Trainer Cards – 41

4x Trainers’ Mail – ROS 92
1x Town Map – BKT 150
3x Acro Bike – PRC 122
3x Dimension Valley – PHF 93
1x AZ – PHF 117
1x Startling Megaphone – FLF 97
4x Puzzle of Time – BKP 109
1x Xerosic  – PHF 110
1x Escape Rope – PRC 127
4x Battle Compressor Team Flare Gear – PHF 92
2x Fighting Fury Belt – BKP 99
1x Teammates – PRC 160
2x Hex Maniac – AOR 75
1x Lysandre – FLF 104
1x Float Stone – BKT 137
4x Ultra Ball – ROS 93
2x Professor Sycamore – XY 122
4x VS Seeker – PHF 109
1x Target Whistle Team Flare Gear PHF 106

Energy – 4

4x Double Colorless Energy – FAC 114

Enfim, as rodadas.

DAY 1

Round 1 – Pedro Henrique – Vespiplume – WLW

Primeira rodada e já estava nervoso. Quando vi o deck do meu oponente, fiquei pior ainda. Vespiplume logo de cara? Bom, pelo menos eu ganhei na moeda. Já sabia o que fazer: comprar o máximo que puder e terminar o turno com um Hex Maniac. Fiz exatamente isso. Ele não pôde fazer muita coisa e eu fui levando.
No segundo jogo eu não tive muito o que fazer, minha mão estava simplesmente péssima. Quando ele pegou um Judge de um Trainers’ Mail (que por sinal foi feito de uma forma bem clara pra que eu não achasse que estava sendo usado), ainda me confundi e cheguei a embaralhar minha mão no deck mesmo assim, garantindo a loss no segundo jogo. Na realidade eu só estava esperando o turno dele terminar para que eu concedesse o game de qualquer forma, então dá no mesmo.
No terceiro jogo, consegui Hex T1 de novo, mas dessa vez sem um começo muito explosivo. Contei com ele não conseguir montar Vileplume, que foi o que aconteceu, então saí na vantagem. O jogo foi bem parecido com o primeiro, mas quase perdi esse porque chegou o momento em que eu precisava de uma DCE e tinha um Sycamore, joguei, comprei as 7 e lá estava a energia. Se não estivesse lá, eu teria perdido.
Foi uma boa partida. E ganhar de Vespiplume me animou muito para o resto do torneio.

1-0-0

Round 2 – Paulo Lencioni – Yveltal/Zoroark/Gallade – W

Gosto de jogar contra Yveltal. Em geral é uma partida equilibrada, que dá mais espaço pra jogadas estratégicas. Se bem que no primeiro jogo eu tive uma sorte enorme. Vinha tudo que eu precisava, tomava Ace Trainer e comprava bem mesmo assim. De qualquer forma, foi um jogo bem equilibrado e levou bastante tempo para finalizar.
Já o segundo jogo foi mais complicado. Só lembro que no final deu os 3 turnos e ele tinha tudo pra pegar todos os prizes, exceto a DCE. Todas elas já haviam sido descartadas, o que garantiu que o jogo não fosse pro empate.

2-0-0

Round 3 – Vinicius Lazari – Mega Gardevoir – WW

Sem dúvidas, uma match incrivelmente boa pra Night March. E pra completar, o deck rodou bem demais nos dois jogos. Várias vezes fiz tudo o que eu queria no turno e completei com Hex. Complicado ter resposta pra isso.

3-0-0

Round 4 – Jhon Lopes – Giratina/Aromatisse – WW

Essa me botou bastante medo. Não me lembro se foi 2-0 ou 2-1, mas de qualquer forma foi preocupante. Qualquer coisa que tenha o nome de Giratina me botava medo, na verdade. No primeiro jogo ele começou e deixou um Giratina na frente com DDE e Fighting Fury Belt e no fim deu Hex. Ali eu achei que havia perdido, mas fiz o que eu podia fazer. Battle Compressor -> VS Seeker -> Xerosic. No turno dele, deu Judge e se travou. Também me travou mas comprei algo antes e levei o jogo.
No outro mais uma vez o deck não me deixou na mão. Consegui fazer tudo e ainda buscar um Giratina com energia no banco pro K.O. Ele usou Geomancia e ligou uma energia em um Giratina e outra em algum outro Pokémon. Eu sabia que se desse Lysandre no Giratina, ele poderia acabar montando outro em um turno (haviam 3 energias em campo), então optei por nocautear o Aromatisse. A partir daí, não teve mais resposta.

4-0-0

Round 5 – Felipe Fregonassi – Yveltal/Vespiquen/Bats – WW

Ganhando essa eu estaria quase garantido no Top 32. Mas sabia que seria difícil, tanto pelo deck quanto pelo jogador. Mas o deck dele decidiu não rodar muito bem nesses jogos, o que garantiu a vitória. Agora não tenho certeza se foi 2-0 ou se não deu tempo de terminar o segundo jogo, mas sei que mesmo com mãos ruins ele me fez tomar decisões difíceis durante o jogo.

5-0-0

Round 6 – Matsi Castiglione – Trevenant BREAK – LWW

Começar 5-0-0 em um campeonato, acho que foi a primeira vez que isso acontece. A essa altura eu estava muito feliz e me sentindo confiante não só para o Top 32 como para o Top 8. Quando vi o Phantump, já achei que minhas vitórias seguidas fossem acabar. Não lembro bem das partidas mas sei que em um dos dois jogos que ganhei eu fiz tudo que podia no T1 e deixei o oponente sem muita resposta. Já no último jogo eu tive que depender de um loop de Shaymin. Meu oponente não usou Judge ou Head Ringer então pude manter o loop por alguns turnos até comprar um Hex Maniac, queimar os itens da minha mão e nocautear o primeiro Trevenant dele. Se não me engano ele só mandou mais um Trevenant e mais nenhum básico e ganhei o jogo no turno seguinte.

6-0-0

Round 7 – Lucas Vareda – Night March – ID

6-0-0 e com vitória contra duas bad matches! Era meu dia de sorte, com certeza. Eu e o Lucas decidimos empatar pra garantir o Top 32 (bate aquele medo de perder as 3 últimas rodadas do dia e ficar fora do top, né). Então nosso objetivo era empatar essa pra garantir e depois tentar ganhar as outras duas.

6-0-1

Round 8 – Nathália Fernandes – Mega Manectric – WW

Pelo deck em questão, claramente ela já estava em desvantagem. Mas o surpreendente foi que a vitória foi por donk duas vezes seguidas. Primeiro no Shaymin e depois no Manectric. Às vezes acontece. Às vezes o deck resolve te dar umas mãos terríveis duas vezes seguidas só porque ele está a fim.

7-0-1

Round 9 – André Rassy – Night March – LW (Tie)

Mirror bem básica. A primeira demorou muito e acabei perdendo. Ali eu já sabia que só me restava o empate, então joguei o mais rápido que pude e ganhei o segundo jogo bem no final mesmo. Foi o único empate não intencional do campeonato.

7-0-2

Pronto, o primeiro dia terminou e abri uma ótima vantagem pra conseguir o Top 8 no dia seguinte. Das 5 rodadas restantes, eu sabia que 2 vitórias e um empate me garantiriam o top, o que me deixou confiante. Um detalhe do sistema de segundo dia com suíço é que é fácil definir seu oponente pra próxima rodada quando termina o primeiro dia. No caso, eu e Semedo terminamos em primeiro e em segundo, então era certo que ele seria o meu oponente na décima rodada.

DAY 2

Round 10 – Gabriel Semedo – Yveltal/Zoroark/Vespiquen – WW

No primeiro jogo comecei com Shaymin, liguei uma Float Stone nele e tive que descer outro Shaymin imediatamente. E ele começou. Se não me engano deixou um Yveltal ativo e um Combee e um Shaymin no banco. No meu turno, depois de descer o Shaymin (e um Joltik), minha mão era a seguinte: AZ, Escape Rope, Trainer’s Mail, DCE + alguma coisa que não era utilizável. Do Trainers’ Mail peguei um Fighting Fury Belt, dei Escape Rope e deixei meu oponente com duas escolhas: ou ele mandava o Combee e era nocauteado pelo meu Shaymin com Sky Return (+ FFB) ou ele mandava o Shaymin e torcia pra não ser nocauteado (ele sabia que seria difícil pra mim recuar o Shaymin e achar um atacante). Ele escolheu o Shaymin, que eu acredito ter sido a melhor opção mesmo, mas eu dei AZ pra comprar 3 cartas e veio o Joltik da salvação! Eu precisava comprar algum Night March ou Ultra Ball e achei que havia uma chance considerável disso acontecer, então arrisquei e valeu a pena. Recuei o Shaymin com a Float e nocauteei o primeiro EX no T1. Como essa vantagem foi muito grande, acabei levando o jogo.
No segundo jogo minha mão veio muito melhor. Só precisei usar um Shaymin pra achar uma DCE e começar a atacar. Eventualmente tirei o Shaymin do banco com AZ (já que ele não conseguiu nocauteá-lo) e controlei o jogo. Mais adiante tive que descartar um Shaymin, então fui atrás dos Puzzles pra tirá-lo do descarte (com medo de levar um apito, já que ele tinha só mais dois prizes restantes) e peguei mais alguma coisa pra terminar o jogo no turno seguinte.

8-0-2

Round 11 – Nathália Fernandes – Mega Manectric – LWW

No primeiro jogo tomei um donk. Foi irônico demais, até achei que levaria dois donks seguidos pra compensar pela nossa partida no dia anterior mas não foi o caso e levei os outros dois jogos. No terceiro jogo houve um momento em que se eu tomasse um Delinquent eu perderia automaticamente, mas felizmente ela não teve acesso à carta.

9-0-2

Round 12 – Lucas Vareda – Night March – ID

Lucas de novo e Intentional Draw de novo. A partir daqui era só fazer empate intencional pro resto das rodadas. Eu já estava garantido no Top 8!

9-0-3

Round 13 – Raphael Branco – Vespiquen/Vileplume – ID

Empate de novo. Pensando bem, seria legal ter jogado com o campeão, né.

9-0-4

Round 14 – João Paulo Senida – Night March – ID

Última rodada. Dessa vez fiquei em dúvida entre empatar ou conceder. Ganhando ou empatando eu ficaria em primeiro na lista do Top 8. Se perdesse, eu ficaria provavelmente em quarto ou quinto. No fim achei melhor ficar em primeiro porque eu teria uma chance alta de cair contra o Turbo Giratina do Gustavo Wada no Top 8 se eu concedesse a última rodada. Vi o que o deck era capaz de fazer e percebi que era quase impossível ganhar disso de Night March.

9-0-5

TOP 8 – João Paulo Senida – Night March – LL

No fim, as suposições deram certo e consegui evitar uma bad match (que por sinal o top estava cheio), mas não ajudou muita coisa. Tomei um lindo donk no primeiro jogo porque abri com aquele tipo de mão em que você literalmente não faz nada e só passa.
Já no segundo jogo comecei com 2 Shaymin na mão e sem Night Marchers. Pensei “Não é possível…”, mas pelo menos não foi um donk. Resolvi ir atrás de um Hex Maniac pra ver se ele não travava, com a esperança de ganhar o jogo com isso. Usei o Hex. Ele realmente não conseguiu fazer muita coisa, mas não por causa do Hex, mas porque os dois Sycamore estavam nos prizes. No fim, a escolha que ele não queria fazer (usar Judge) acabou com minhas chances de ganhar: comprei os 3 estádios e um Target Whistle. E os estádios ainda vieram seguidos, um atrás do outro. Ri para não chorar. Dois turnos depois eu consegui montar meu jogo mas já era tarde demais. Afinal, era uma mirror de Night March.

9-1-5

E assim a primeira derrota foi a última e minha marcha terminou por aqui. Mas Top 8 é isso aí mesmo, Eliminação Simples não perdoa. Mas claro, fiquei feliz demais com o resultado e realmente surpreso, porque não me imaginava me saindo tão bem. Agora, que venha o Mundial!

Jogador desde quando saiu a Base Set aqui no Brasil, tendo minha melhor temporada 11/12, onde que no Nacional 2012 consegui o primeiro top pra Minas Gerais, ficando em 7º colocado. Venci alguns torneios como City's e BR's e top's nos Regionais. Parei por um tempo, mas estou de volta para esse incrível jogo.