WaterGOD com Lapras GX com um Mini Report

E aí amigos da TCMG, animados para o formato com a coleção Sol e Lua? Eu estou super feliz com o impacto que deu no formato, particularmente achei os ataques GX bem interessantes e que melhoram bastante o lado estratégico do jogo.

Hoje irei trazer pra você o deck que usei no League Challenge aqui em BH e no Mensal que acabei ganhando. Quando a coleção saiu eu disse para todos os meus amigos que Lapras tinha futuro no formato e ninguém acreditou, então está aqui a decklist, espero que gostem e fiquem a vontade para dar sua opinião.

Pokémon (11)

2x Lapras GX – SM 35 / 139 / 151
1x Articuno – ROS 17
2x Glaceon EX – FAC 20 / 116
2x Shaymin EX ROS 77v / 106
2x Manaphy EX – BKP 32 / 116v
1x Regice – AOR 24
1x Tauros GX – SM 100 / 144 / 156

Energia – (11)

11x Energia de Água


Como funciona?

O deck tem a mesma premissa que o antigo Waterbox criado com muito orgulho por um brasileiro, o Gabriel Semedo. Em um formato atrasado como no Brasil conseguiu montar um baralho que ninguém esperava e se tornou tier no mundo todo. A estratégia para o novo WB (WaterBox) é a utilização do Max Elixir seguido com Energy Switch e ter um atacante batendo logo no t1, depois disso basta economizar os recursos e ir montando de pouco em pouco os outros atacantes. Gostei bastante de como o deck se comportou no torneio, me deu uma segurança muito grande e acredito que tenha bastante visualização porque tem uma partida muito boa contra Volcanion. Agora vou explicar o porque coloquei as cartas chaves no deck.

 

2 Lapras GX: Pô SonSon, mas só 2 Lapras? Sim, eu testei um tempo com 3 e não senti muita diferença, preferi colocar o Regice para que aumentasse meu leque de lock em determinadas partidas, por isso utilizei esse número, caso queira aumentar fica a seu critério.

Lapras veio meio desacreditado, não tendo o status que merecia ter, primeiramente o que me chamou a atenção foi seu alto hp por ser básico, junto com cinto de luta ele vai para incríveis 230 de vida, isso o faz ser um tanque, junte isso com o estádio mares agitados + Manaphy que faz ter recuo 0 e combina perfeitamente com o Blizzard Burn já que impede de atacar no próximo turno.

Depois de olhar isso fiquei feliz com seu primeiro ataque, “Collect” permite que compre 3 cartas, isso em um torneio grande que em algumas partidas você tende a zicar e ter badhand pode te dar uma segurança muito grande, porque pode recuperar dano e faz voltar a partida mesmo com alguns turnos de desvantagem.

O outro ataque “Blizzard Burn” tem incríveis 160 de dano, junto com Nogueira + FFB pode alcançar 190 de ataque, é muito forte, além disso o que me deixou mais surpreso é que esse dano é bem consistente porque você consegue montar 2 Lapras bem facilmente, tudo acaba dependendo do acerto dos Max Elixir e para um deck de 11 energias não é o complicado.

Agora aqui está o motivo do Lapras não ter sido levado a sério, primeiro momento quando olhamos seu ataque GX e míseros 100 mais paralisia não parece seduzir muito as pessoas, entretanto se acertado corretamente em algum momento do jogo faz com que tenha o nocaute garantido no próximo turno, ainda mais se utilizado no fim da partida onde o recurso do oponente já vai estar todo gasto.

1 Articuno: Na teoria ele é mais bonito do que parece, porém é muito útil com a utilização do Ninja Boy, se conseguir encaixar bem, pode puxar até 3 prêmios de uma vez, isso faz com que fuja dos N para 1 que podem ser uma dor de cabeça. Além disso ele é um ótimo starter já que seu primeiro ataque deixa o Pokémon defensor dormindo sem jogar a moeda, acho interessante principalmente contra Jolteon EX que poderia te dar uma dor de cabeça.

2 Glaceon-EX: Eu poderia ter colocado Palkia-EX em um espaço e utilizar só 1, porém quem me conhece sabe que adoro cartas inteligentes e o Glaceon é do tipo de carta que bem encaixada pode fazer seu badmatch se tornar jogável, como por exemplo pode ser uma bela dor de cabeça contra Vespa, M Rayquaza (que joguei contra dois no torneio), entre outros.

2 Manaphy-EX: Lapras parece ser o MVP do deck, certo? Ai que você se engana, sem esse bichinho talvez não seria um deck tão bom pois ele te dá mobilidade em ficar recuando seus Pokémon por custo livre se tiver utilizando uma energia de água, então caso o oponente fique dando Lysandre pra ganhar turno é só baixar e recuar, utilizar energy switch e continuar na brincadeira, só que o mais importante é tirar o efeito do Lapras da frente para atacar com outro que venha do banco.

1 Tauros-GX: Talvez o erro da decklist esteja no boi.. Posso estar sendo equivocado, porém na teoria e no LC que joguei eu até senti falta para finalizar algumas partidas, porém a minha sorte não sorriu do jeito que queria, sempre que eu tinha ninja boy o tauros estava na minha mão. Outra coisa que fui perceber no final do torneio é que bater com o ataque GX do Lapras é muito melhor para esse deck.

1 Regice: Pokémon EX estão vivos no formato, não quer dizer que com a entrada de Sol e Lua os EX vão sumir, o formato continua quase da mesma forma ainda, para os GX começarem vai precisar de um tempo para todos se acostumarem e modificar os decks tier. Por isso que apostei no Regice e não arrependi.

4 Max Elixir, 4 Energy Switch: Acho que 4 Energy Switch assusta um pouco, mas valeu a pena. Porque foram poucos casos que eu não tinha um atacante com 3 energias batendo no T1, isso coloca uma pressão tão grande no oponente que consegui dar donk ou já nocautear um Yveltal com 170 de vida em uma pancada e na minha primeira ação. Max elixir é um número completo porque a é a única forma de acelerar sem a utilização do Palkia.

1 Pokémon Ranger: Comba perfeitamente com o Blizzard Burn do Lapras, caso não tenha como recuar por causa da utilização de Garbodor, Silent Lab ou outras formas, isso faz com que não gaste por custo de recuar e continue no fluxo de 160-170.

1 Ninja Boy: Menino Ninja é monstro demais no deck! Ele aparece na partida e trás aquele Pokémon chave na partida, contra o Quaza eu começava bater de Glaceon, próximo turno fazia Ninja Boy pra Lapras e K.O. isso pegava o adversário de surpresa.

1 Professor Nogueira: Acredito que vai virar staple na maioria dos decks. Além de comprar duas cartas ganha um aumento de 20 que pode fazer toda a diferença.

11 Energias de Água + 1 Super Rod: Achei um bom número para que eu acerte os Max Elixir no começo da partida, caso precise dou Super Rod e volto a ter maior chance no final. Vi listas utilizando 12 e acho que também vale o teste.


Possíveis Techs:

Palkia EX : Conversando com o Semedo, ele me explicou a utilização que teve com ele e senti que faltou ele na lista, ele é bom principalmente na match contra Yveltal porque faz ele ter 170 de vida mesmo com FFB e isso é um ataque do Lapras e sem contar que vai ta setupando sem desespero em acertar os Elixir. Realmente testarei.

Aurorus EX: Talvez contra a mirror de WB essa carta pode fazer a diferença em impedir o Lapras adversário de paralisar os seus pokemon e outro fator que eu acho bom é porque você fica com um mesmo ataque (1 custo a maior de energia) do Lapras, porém com fraqueza diferente.

Oranguru: Penso que todos devem ter pelo menos uma carta dessa na pasta, porque seu efeito é bem interessante. A utilização dele no baralho seria para zerar a mão sem necessidade dar Shaymin, fugir do N para 1, o Deliquent e a jogada que zera sua mão.


Vantagens:

  • Capacidade de matar com um hit em vários Pokémon do meta se não tiver com Fighting Fury Belt;
  • Com Manaphy EX você tem uma mobilidade para mover seus atacantes em campo;
  • O GX do Lapras se bem utilizado é como se tivesse nocauteando um Pokémon do oponente;
  • Tem muita velocidade, raramente não ataca no t1 ou t2;
  • Como utiliza vários pokemon diferentes, pode se adaptar bem a diferentes adversários;
  • Regice e Glaceon podem dar locks interessantes em determinados matchs;
  • Sim, Collect é muito bom, só de tirar da zica já é uma vantagem;
  • Tem uma partida muito boa contra o Volcanion.

Desvantagens:

  • Garbodor/Silent Lab/Hex Maniac/Alolan Muk, tudo que tira a habilidade pode ser chato, porque perde a mobilidade do deck.
  • Pokémon que dá um hit tem que se jogar um pouco mais pensado, não pode sair estourando igual em outras partidas.

Mini Report – Vlll Mensal – Fevereiro 2017.

 

Todo mês realizamos um torneio no formato standard para treino e aprender a simular grandes torneios, o torneio teve 5 rodadas no suíço e mais 3 no top, particularmente adoro o sistema que criamos na TCMG com ranking premiando os primeiros colocados, tem dado certo na nossa região, graças a todos que compraram nossa ideia.

Não era segredo de ninguém que eu iria de Lapras/Waterbox, pois vinha treinando com ele e gosto de colocar o baralho para rodar antes de escrever a matéria para vocês. Nesse mini report não vou estar interessado em dizer que fiz um top deck, apenas vou explicar o que pensei para ganhar cada partida e como foi o desenrolar de todo o campeonato. Tentaremos também colocar vídeos do torneio que gravamos no nosso canal.

 

Rodada 1: Wander Alex – Wailord-EX/Gumshoos-GX

Quando se joga contra baleia é preciso ter calma para fazer seu setup e seu jogo, ao virar e perceber que era contra Wailord que estaria jogando tive que pensar rápido em como vencer, ter dois atacantes já que o Lapras-GX impede de atacar duas vezes sem ir ao banco e custo pra recuar 0. Com isso consegui montar 2 Lapras e um Manaphy, então a partida se tornou bem fácil já que ele não aguentava ficar recuperando toda hora e acabei levando a partida facilmente.

1-0-0

Rodada 2: Marcos Taveira – Volcanion

Infelizmente ele teve um problema particular e teve que sair justo na nossa partida, mas estava bem confiante porque tinha treinado bastante contra Volcanion, eu tentaria fazer um Lapras e acertar Lysandre no Volcanion-EX setupado com o ataque GX, já que cada que você nocauteia é -30 de danos e ele não recupera esse Volcanion tão facilmente, no outro turno a chance dele me nocautear era pequena o que poderia dar o Blizzard Burn e levar o quarto prêmio. Tem que se ter cuidado apenas no começo da partida, mas se monta 2 Lapras a partida se torna bem fácil.

2-0-0

Rodada 3: Thales Andrade – M Rayquaza-EX/Raichu

O Thales é escritor da TCMG e que faz as artes da nossa página e site e SEMPRE joga de Quaza, sabia que era uma partida complicada pela velocidade que o Dragão branco impões nos adversários e como não utilizo Hex Maniac eu precisava administrar muito bem meus recursos, essa partida foi muito tensa, o meu MVP foi o Glaceon-EX acredito que sem ele a partida seria muito favorável para o Thales, porém o Glaceon colocava uma pressão muito grande. Terminamos empatado, ambos jogaram super bem e o deck rodou ao extremo, fiquei feliz em saber que o WaterBox aguentava a velocidade do Rayquaza, pois são poucos que aguentam tal imposição.

Só para resumir na minha primeira partida perdi por um descuido de não baixar um Regice ou Articuno no banco, porque ele utilizou Escape Rope e acabou levando 2 prêmios e com um deck bem filtrado que mesmo dando N ele voltou com Lysandre na mão. Na segunda partida tentei baixar Regice e Articuno para poder fugir dessa armadilha, bati com Glaceon e tentei ao máximo guardar recursos. No fim ganhei com Ninja Boy para Lapras e ele não teve onde escapar já que tinha gastado todos os recursos para recuar.

2-0-1

4 Rodada – Alex Oliveira – Yveltal-EX/Tauros-GX/Garbodor

Joguei extremamente mal essa partida, foi a única vez que comecei com o Tauros e com sede de bater com ele tomei um Ninja Boy para o Tauros dele que foi fatal. A partida não é tão difícil, tem que entender que o Manaphy é carta chave para o Waterbox, então quando Garbodor está na mesa ele acaba se tornando seu alvo, o que acabou dando chances para montar um Yveltal mais cabuloso.

Nessa partida comecei a ver que tinha errado na lista em utilizar o Tauros-GX, se tivesse colocado Palkia os números ficariam mágicos para nocautear o Yveltal e Tauros além de setupar e aguentar a pressão que o Yveltal trás.

2-1-1

5 Rodada – Pablo Bernardino – Yveltal-EX/Tauros-GX/Garbodor

A primeira e segunda partida não é parâmetro para nada, os dois zicaram e empataram a partida, chegou a ser ridículo como o deck abandonou a gente.

Na terceira foi mais disputada, porém ele começou muito mais agressivo e eu não tinha nada, graças a bom Arceus e ao primeiro ataque do Lapras consegui sair da zica para montar meu setup, consegui fazer um no banco e subir dando KO no Yveltal sem Fight Fury Belt. Ele tentou voltar para a partida, mas acertei um Lysandre novamente com o ataque GX que paralisou o Tauros e acabou me dando a vitória. Estava no top 8.

3-1-1

Top 8 – Thales Andrade – M Rayquaza-EX/Raichu

Alguém tinha que ganhar agora, empate não era opção, novamente os dois decks rodaram bem, porém dessa vez consegui colocar mais Pokémon não EX no banco o que acabou melhorando a partida e fugia do escape rope para 2 prêmios, ele jogou super bem, porém quando o recurso do oponente acaba e não se tem recuo mais o GX do Lapras se torna mortal e foi isso que aconteceu no final, Glaceon mais uma vez levou a partida inteira sozinha, impressionante como o Professor Kukui cai bem no baralho e principalmente com o Glaceon.

Na segunda partida o jogo foi bem tenso, em um certo momento consegui dar 100 de danos com Glaceon que acabei dando check no Thales, porém eu tinha menos cartas no deck e ele tentou fazer looping de Shaymin e chegou um momento que eu iria perder, então fiz um Regice para paralisar, ele ainda tinha o segundo recuo, porém nossos recursos estavam todos zerados e ele teve que gastar seu último VS Seeker para Skyla e buscar Swich, ele com 4 prêmios, sem Lysandre, sem VS Seeker, eu com Glaceon montado e o Quaza com 100 de danos, então o Second Bite ganharia o jogo, os 3 turnos foram chamados e ele concedeu a partida porque realmente não dava mais. Belo jogo Caco!

4-1-1

Top 4 – Renato Christian – Jolteon-EX/Glaceon-EX/Garbodor

Teoricamente uma partida fácil, os danos do Lapras fecham muito fácil, além da utilização do Pokémon Ranger no deck que dá uma vantagem muito grande, já que o lock dele não acontece nada com você, outro fator é que o WaterBox flui muito mais e acaba sendo mais rápido, então várias vezes consegui nocautear o Jolteon ainda no banco e sem ele eu só precisava ter cuidado com o Tauros. O Renato é ótimo jogador e já pegou top 4 no nacional de 2015, mas eu estava tão confiante que realmente não deu pra ele.

5-1-1

Final – Wander Alex – Wailord-EX/Gumshoos-GX

Pô, estava super feliz que o Wander estava na final, é um novato que tem se empenhado bastante e conseguiu vencer na semi final o nosso campeão nacional, Dyego. Ele estava nervoso porque iria pegar um bad match. A primeira partida ele venceu, fiz uma estratégia diferente já que 1 Lapras estava nos prêmios, tive que fazer Lapras, Glaceon e Manaphy, isso perdia um pouco do poder, ele desceu coelho e conseguiu vencer a partida.

Só que a baleia não é um deck tão interessante no top, já que ela não pega prêmios, então se eu vencesse essa eu sabia que já era campeão, fui jogar bem resguardado nessa partida, coloquei os dois Lapras no jogo e fui passando até montar os dois prontos com Manaphy, depois disso a partida se tornou fácil.

A terceira e última do dia, fiz do mesmo jeito, ele conseguiu acertar alguns martelos + skull que atrapalhou minha vida, mas já tinha pegado 2 prêmios, então ficava juntando cartas na mão até vir o Super Rod, dava N voltava pro deck e não perdia por deckout. Mesmo assim chegou um momento que já estava com 2 prêmios para finalizar, chamou os 3 turnos e venci a partida para ser campeão.

6-1-1


Conclusão

Fiquei feliz em vencer o mensal e ainda mais com o deck no qual apostei tanto, meu time me deu total apoio, principalmente o Miagava que me emprestou sua conta na online para que eu pudesse colocar a ideia em ação, muito obrigado meu amigo. Meus parabéns para o Wander que surpreendeu todo mundo, espero que isso tenha dado animo para as pessoas verem que com treino consegue ir bem no Pokémon TCG. Sobre o deck ele precisa de alguns ajustes e dá para melhorar, porém ele tem resposta contra tudo no metagame, acredito que se o intercontinental no Brasil fosse mês que vem, meu deck já estava escolhido, porém temos 2 meses para continuar treinando, os testes já começaram, para saber nossos treinos para o maior torneio que nosso país já teve, siga nossa página e acompanhe nossa jornada. Espero que tenham gostado, qualquer dúvida estamos à disposição para responder, obrigado e nos vemos por aí. 😉

 

 

 

 

Jogador desde quando saiu a Base Set aqui no Brasil, tendo minha melhor temporada 11/12, onde que no Nacional 2012 consegui o primeiro top pra Minas Gerais, ficando em 7º colocado. Venci alguns torneios como City's e BR's e top's nos Regionais. Parei por um tempo, mas estou de volta para esse incrível jogo.